noite vegetariana | kasvisruokailta

Na última semana, passando por um dos murais da universidade, me deparei com um cartaz que me chamou atenção por ser diferente dos outros. Desenhado e pintado à lápis e com colagem de letras de revista – fazia tempo que não via um desses. Se fosse depender dos textos ia me passar despercebido já que sei quase nada de finlandês. No entanto vendo as figuras, de primeira achei que era algo relacionado a comida e pelos alimentos usados tinha chance de ser vegetariano. Quando vi “2 euros”, fui logo tirando uma foto pra traduzir quando chegasse em casa.

E valeu a pena mesmo. Era uma noite vegetariana organizada por um grupo ambientalista de estudantes da universidade. Chegamos lá (eu e o Oriel) e entramos pelos fundos de um prédio comercial no centro da cidade. Fomos recepcionados por uma das meninas que recolheu nossa contribuição. O lugar era tipo um salão de festa de condomínio, e quando entramos o pessoal já estava arregaçando as mangas e pegando os alimentos para cortar.

Eramos os únicos estrangeiros e parecia que todos ali eram conhecidos ou faziam parte do mesmo círculo de amigos, o que nos deixou meio tímidos. Mas logo começaram a falar com a gente em finlandês e ao perceberem que não entendiamos se puseram a falar em inglês e mostraram no que a gente podia ajudar pro preparo do rango.

Esta é uma das coisas legais da Finlândia, todo mundo sabe entre 2 à 4 idiomas, entre eles finlandês, suéco, inglês e russo. Entre os jovens estudantes praticamente todos se comunicam bem em inglês, e apesar de ser um povo tímido (reservado com quem não conhece bem) estão sempre dispostos a ajudar e a conversar quando percebem que o outro está perdido.

Enquanto alguns preparavam os alimentos, outros conversavam no sofá e ainda tinha alguns que iam para a sauna. Sim, o vício dos finlandeses. Tem sauna por todo lugar e parece que toda hora é hora de sauna ;P
O interessante é que apesar do jantar ser vegetariano, percebemos que várias pessoas ali eram oníveras. Dá pra ver que eles acham importante, ainda mais por se tratar de um grupo ambientalista, porém não levam isso 100%. O último dado (2008) que encontrei sobre a população vegetariana na Finlândia era de 3 à 5%. No Brasil, a população vegetariana chega a 9% (2010). Então além da quantidade, a proporção de vegetarianos no Brasil é bem maior. O mais engraçado é que na Finlândia praticamente todos os restaurantes servem pelo menos 1 prato vegetariano (sem origem animal) e no mercado têm várias opções também. Além de não faltar opção, os finlandeses têm boas condições financeiras (a maior parte é como a classe-média alta do Brasil) e o nível de educação é bem alto. Não sei, mas achei curioso.

Mas… finalmente o rango ficou pronto, e o menu foi uma entrada de sopa com croutons, que na verdade eu ainda não tenho certeza do que era, pois não era um gosto familiar. Lembrava algumas dessas raízes que temos no Brasil e pelo o que eu pesquisei é chamado de tupinambo, em português. Eu curti :)

O segundo prato foi um refogado de batata, cenoura, beterraba e cebola, mais seitan frito e um molho delicioso de champignon.

E de sobremesa foi um caldo de frutas vermelhas com um pudim de leite de côco.

(As fotos não tão muito boas, pois são de celular)

Olha, repeti em todos os pratos e fiquei cheiassa. Tava bem bom, além de conhecer o pessoal e trocar umas ideias :)  E tudo por 2 euros (±5 reais), bem em conta considerando estar na Finlândia.

Além do mais, achei bem legal a ideia de organizar um jantar que a galera colabora junto. Acho que muitas vezes as pessoas desanimam de organizar esses jantares pois dá muito trabalho, mas com cada um fazendo um pouco fica bem mais prático, a galera interage mais e ainda aprende como preparar os rangos.